IMPULSOS PATOLÓGICOS

Fábio Boeing

 

Impulsos são ações psicomotoras automáticas ou semi-automáticas, de tipo explosivo, instantâneas, fulminantes, caracterizadas, sobretudo, pela subitaneidade e incoercibilidade com que se desencadeiam e se processam.

 

Impulsos agressivos-destrutivos

 

Impulso ao estraçalhamento de roupas, vestes, travesseiros, colchões, móveis etc., numa expressão de hostilidade ativa e incontida ao mundo material. Ocorre no mais das vezes, sem propósito deliberado, como em oligofrênicos eréticos, na agitação catatônica e em estados demenciais paralíticos, senis e pré-senis. Outras vezes, o impulso tem caráter seletivo e simbólico, por deslocamento afetivo, a exemplo do que se verifica em certas personalidades desajustadas ou imaturas, especialmente de tipo histérico, ou em epileptóides, paranóides sensitivos.

 

Impulso a atear incêndios. Formas ditas sintomáticas têm sido registradas em oligofrênicos eréticos, que ateiam incêndios, apenas pelo prazer de ver a chama. Porcentagens mais altas foram verificadas na epilepsia e em personalidades psicopáticas, de tipo hipertímico, em cujo passado social repontam anormalidades de todos os gêneros.

 

São sempre cometidos com os caracteres de subitaneidade e irresistibilidade intrínsecas, independente da existência ou não de motivações externas, humanamente compreensíveis. Podem ocorrer em neuróticos, personalidades psicopáticas e esquizofrênicos.

Em estados melancólicos, a agressividade do paciente é de regra, caracteristicamente voltada contra si mesmo, sendo freqüentíssimos os suicídios, quase sempre após longa e meticulosa meditação e preparação.

 

Às vezes se efetua sob a forma de fuga, de automatismo ambulatório; outras vezes, de simples mudança de lugar, ou de uma corrida súbita, imotivada e precipitada (própria das epilepsias ditas psicomotoras e esquizofrenias). Há casos registrados, sobretudo, nas epilepsias, em certos desajustamentos neuróticos infanto-juvenis, na histeria, em personalidades psicopáticas e, mais raramente, em psicoses orgânicas.

 

Tendência interior, inelutável, à busca e uso continuado e sistemático de substâncias tóxicas, entorpecentes ou euforísticas.

 

Impulso periódico, intermitente, à ingestão de grandes quantidades, não apenas de bebidas alcoólicas, mas de quaisquer substâncias líquidas, eventualmente colocadas ao alcance do dipsômano.

 

Impulso à apropriação, captação ou subtração de objetos alheios, pouco importando o valor intrínseco do objeto em si. É um ato compulsivo, precedido de forte ansiedade, que somente se alivia após a sua consumação. Há formas sintomáticas, em relação com enfermidades orgânico-cerebrais, e há formas puras, de fundo neurótico, na dependência de conflitos e frustações emocionais, conscientes ou inconscientes.

 

BIBLIOGRAFIA:

A bibliografia está presente no programa da disciplina.

Neste seminário foram utilizadas, principalmente, as referências de número 1 e 2 da bibliografia básica.